DIRECT REVIEW

Uncharted The Lost Legacy capa
Uncharted: The Lost LegacyLANÇAMENTO: 01.09.2017
9.1

NOTA GERAL

GRÁFICOS

JOGABILIDADE

DIVERSÃO

SOM

TOP GAMES

1º
9.4
2º
9.2
3º
9.1
4º
9.1
5º
9

Quantum Break

Depois de vários atrasos consecutivos, finalmente foi lançado este grande exclusivo da Microsoft, trazendo consigo inovações no modo de como as escolhas dos jogadores afetam a trama. O jogo mistura de uma maneira simplesmente notável, o seu conteúdo com uma série digital de mesmo nome, onde ao final de cada capítulo, temos um episódio baseado nas escolhas tomadas, criando assim uma verdadeira experiência de imersão no universo do título.

A trama começa com Jack Joyce, um jovem que não teve as melhores oportunidades na vida e por conta disso não mantem um círculo social lá muito grande, tendo poucos amigos e um irmão um tanto quanto excêntrico, William Joyce. Repentinamente recebe uma mensagem urgente de seu melhor amigo, Paul Serene, lhe pedindo ajuda. Prontamente Jack se coloca em um avião indo ao encontro de Paul na Universidade de Riverport, nos Estados Unidos, que está no momento, sob fortes protestos contra a destruição da biblioteca local.

Ao encontrar seu amigo, o protagonista é esclarecido sobre o porquê do pedido de ajuda, tratando-se de uma maquina do tempo criada pelo seu próprio irmão, William, ao qual ele não mantém um relacionamento muito saudável. Após algum tempo, William aparece transtornado e tenta impedir o experimento, fazendo as situação sair do controle iniciando assim o enredo.

A Remedy Entertainment não mediu esforços no trabalho gráfico, temos um jogo realista onde o ator Shawn Ashmore, teve seu físico recriado fielmente, até seus aspectos faciais mais comuns estão lá, e isso aconteceu com todos os personagens, já que os mesmos também foram baseados em atores e atrizes.

Os cenários estão incrivelmente reais, porém são um tanto quanto lineares, mas existem vários lugares para exploração, dando o tom certo ao gameplay. Tal exploração se torna importante por conta do desenvolvimento do protagonista, que necessita de itens para se desenvolver, desbloquear e melhorar habilidades, sendo um show a parte e estando conectadas de maneira profunda com todos os elementos. Os efeitos usados dão realmente a sensação de quebra temporal e total liberdade de ação.

Jack Poderes

Como um shooter em terceira pessoa propõem, os locais para se proteger ou mirar estão bem posicionados e combinam com os ambientes, assim como os inimigos. Você não irá encontrar um bloco de concreto no meio de uma floresta, ou seja, os elementos não destoam da realidade, sem deixar óbvio onde haverá perigo.

Armamentos e equipamentos são bem simples, fazendo pouca diferença. Na verdade demora-se para percebe-los, dado a enorme quantidade de ações possíveis. É a mesma situação da franquia Uncharted, onde também tempos equipamentos, mas eles não são o foco, afinal com narrativas profundas e baseadas em nossas realidade, existe pouco uso para acessórios fantásticos.

Linha do tempo

O título é construído sobre linhas do tempo, que mudam conforme os jogadores se deparam com escolhas. O ponto mais  interessantes está ai, essas decisões são tomadas pelo ponto de vista do presidente da Monarch Solutions, Paul Serene, interpretado por Aidan Gillen, não deixando claro como os personagens principais vão ser afetados, incluindo o próprio Serene. A humanização colocada no jogo, evidência os vários lados da personalidade humana, onde nós todos somos capazes de atos de crueldade e de compaixão.

Quantum Break nós faz odiar e amar seus personagens, e ai é que está o seu sucesso. Além disso, a dublagem em português está como de costume, muito bem feita, dando aquele jeitinho brasileiro a obra.

Vale lembrar também, que ambas as versões tanto do Xbox One quanto do PC, apresentam um grau bem alto de semelhança. Você pode conferir logo abaixo sua comparação. Para melhor visualização, recomenda-se assistir na resolução 1080p/60fps.

Por fim é importante salientar, o grande trabalho realizado no título, trazendo uma jogabilidade complexa, historia profunda e alta qualidade para a nova geração. Nada disso é fácil de se conseguir, por isso se você não conhece Quantum Break, não perca tempo e dê uma chance a essa grande obra.

O jogo estará disponível para a Steam em 29 de Setembro, sendo a primeira vez que um exclusivo do Xbox One é oferecido fora de seu ecossistema.

9.2

NOTA GERAL

GRÁFICOS

JOGABILIDADE

DIVERSÃO

SOM

MATÉRIAS RELACIONADAS

COMPARTILHAR:

COMENTÁRIOS:

 

Receba as novidades do direct geek por e-mail: