DIRECT REVIEW

Uncharted: The Lost LegacyLANÇAMENTO: 01.09.2017
9.1

NOTA GERAL

GRÁFICOS

JOGABILIDADE

DIVERSÃO

SOM

TOP GAMES

7.5
9.4
7.5
7.2


Nioh

Nioh é fruto da parceira entre a Koei Tecmo, Sony Interactive Entertainment e Team Ninja, levando os jogadores direto ao período Sengoku, que ocorreu entre a metade do século XV e o final do século XVI. Considerada uma das fases mais conturbadas e instáveis da história japonesa, marcada por constantes guerras civis.

Nesse cenário de caos, temos William Adams, baseado no verdadeiro navegador inglês de mesmo nome, sendo o primeiro de sua nacionalidade a chegar ao Japão, chamado também pelos habitantes de Anjin. Contudo, o protagonista do jogo possui habilidades sobre-humanas e está sempre acompanhado de sua amada espirito guia, Saoirse, também sua salvadora.

O enredo do título começa com Adams preso na Torre de Londres, descrevendo uma misteriosa pedra chamada de Amrita, achada em abundancia no Japão e solicitada pela Rainha Elizabeth I para assegurar sua vitoria sobre a Espanha. Em uma tentativa para escapar, William acaba sendo terrivelmente ferido, tendo sua companheira raptada pelo vilão Edward Kelley, por conta de sua incrível habilidade de absorver Amrita, dando assim ao inicio da trama do jogo.

É bem capaz de você já ter ouvido comentários sobre o título ser uma versão de Dark Souls com temática samurai, essa afirmação está terrivelmente equivocada, afinal Nioh possui carateristas únicas e enredo baseado em fatos históricos, bem diferente do famoso título da Bandai Namco.

Vamos ao que interessa, logo no inicio do jogo haverão modos para serem escolhidos, tanto no PlayStation 4 quanto no Pro, deixando a cargo do jogador qual tipo de experiência ele deseja, baseada em taxas de frames e resolução.

Há uma grande variedade de cenários, mas algumas texturas como as das paredes, chão e rochas, que muita vezes envolvem os cenários poderiam ser melhoradas, nada realmente impactante, mas visível durante o gameplay.

Yuki-onna

Os inimigos de maneira geral variam pouco, mas apresentam algumas diferenças entre as missões, com exceção dos chefes, que são completamente diferentes, sendo alguns realmente estonteantes, como a bela Yuki-onna, ilustrada na imagem acima.

Temos também combates contra outros jogadores através de NPCs criados ao se morrer em algum fase. Quando derrotados, geram pontos de gloria, uteis para troca de itens como camuflagem, gestos, armas e armaduras.

Após o desbloqueio da Casa de Chá Secreta, a opção para clã aparece e disputas pela maior quantidade de gloria começam. Cada semana o clã com maior pontuação recebe recompensas exclusivas. Não é verdadeiramente um pvp, mas sim uma disputa entre grupos.

Mapa

O mundo é aberto mas não totalmente, existe um mapa onde o jogador pode escolher entre missões, dojo, santuário, armazém, casa de chá, ferreiro e portal de Torii, um modo cooperativo extremamente limitado, deixando apenas as áreas finalizadas acessíveis. Esse talvez seja um dos pontos mais negativos do título e segundo a desenvolvedora, as limitações do multiplayer são propositais e tem como objetivo equilibrar a dificuldade do jogo.

Tirando isso, temos um sistema de evolução de armas bem interessante, onde cada uma libera golpes únicos, mudando completamente o gameplay e a maneira de enfrentar os inimigos. Vale ressaltar que as magias e ninjutsus em Nioh, fazem toda a diferença e podem significar muito em batalhas contra chefes. Um salve para o talismã da preguiça!

William

O protagonista conta com quatro posições de luta, onde o jogador poderá escolher e alterar durante a batalha para qual o estilo lhe atender melhor. Por exemplo, para inimigos que rastejam temos a postura baixa, de certa forma defensiva e que desfere vários golpes com baixo custo de Ki (Stamina). Por outro lado, a postura alta, desfere golpes com maiores danos ao custo de muito Ki.

Além disso, como sensitivo, William pode usar espíritos como armas vivas entrando em um modo especial desferindo golpes devastadores e utilizando bônus dos guardiões. Há uma grande quantidade desse seres e seus bônus são bem variados, deixando as lutas completas e diversificadas. Vale lembrar a importância de se evoluir o atributo “Espírito” para acessar todos os benefícios.

Tome

Existe também um sistema bem tradicional de criação de armas, armaduras e ferramentas, mas a melhoria de equipamento só acontecem quando são fundidas, não havendo itens +1 na dinâmica do jogo. Missões para melhorar o nível da forja estão presentes, criando assim uma experiência bem comum aos jogos do estilo, mas nada muito relevante nesse aspecto.

No final temos um jogo surpreendente, com seu próprio estilo, apresentando uma dificuldade nada frustante, afinal o jogo é difícil e não impossível, recompensando os jogadores pelo seu tempo gasto.

Nioh está muito mais próximo do clássico Onimusha da Capcom, do que a série Souls, trazendo uma roupagem moderna, história envolvente e elementos de uma cultura milenar e poderosa. Uma excelente aquisição a biblioteca do PlayStation 4.

9.4

NOTA GERAL

GRÁFICOS

JOGABILIDADE

DIVERSÃO

SOM

MATÉRIAS RELACIONADAS

COMPARTILHAR:

COMENTÁRIOS:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 

Receba as novidades do direct geek por e-mail: